16 de julho de 2009

Invento facilita descarte de óleo doméstico

























Emerson Antonio Kumabe

Trata-se de um produto derivado da mamona (portanto natural), apresentado em flocos amarelados que, ao serem adicionados ao óleo quente, o transforma numa mistura gelatinosa. “Depois de frio, o óleo solidificado pode ser descartado no lixo”, explica Emerson Antonio Kumabe, comerciante autônomo residente na cidade paulista de Votorantim e inventor do endurecedor de óleo ecológico.

Para Carlos Mazzei, presidente e fundador da Associação Nacional dos Inventores (ANI), “o produto promete revolucionar a vida das donas de casa e de comerciantes do ramo alimentício, além de evitar problemas em redes de esgoto”. Uma vez jogado no lixo, o óleo não volta ao estado líquido, não poluindo aterros sanitários nem o solo.

Segundo Kumabe, a ideia surgiu da necessidade de um local adequado para descarte do óleo usado, sem prejudicar a natureza: “As pessoas estavam acumulando óleo em garrafas pet, sem saber exatamente onde entregá-las para reciclagem”.

Ao pesquisar sobre gordura vegetal, o comerciante fez experiências em casa com materiais que pudessem ser dissolvidos em óleo e o transformassem num resíduo sólido. “Qualquer um pode usar o produto, desde que nas quantidades certas: a cada 600 ml de óleo usado, aquecido em ponto de fritura, deve-se adicionar 20 gramas de flocos, e dissolvê-los completamente”.

O endurecedor de óleo ecológico é inédito no Brasil, onde está patenteado. Para sua industrialização e comercialização, Kumabe tem grandes expectativas, principalmente, no caso de empresas do ramo de higiene e limpeza: “A ideia pode ser muito bem aproveitada em produtos para uso doméstico e comercial”.

“O objetivo da ANI é estimular a criatividade dos inventores, e popularizar as inovações tecnológicas”, comenta Mazzei. “Trabalhamos na orientação e regularização das patentes de projetos e na posterior comercialização dos inventos em escala industrial”.

Segundo Mazzei, muitos projetos de extrema importância ainda aguardam investidores interessados em produzi-los em escala industrial. Outros já estão no mercado, trazendo bons lucros para seus criadores. Os empresários interessados em produzir o invento de Kumabe ou comprar sua ideia podem entrar em contato com a ANI (11 3873 3211).

Fonte: Scientific American Brasil
Sugestão de Maurício Bonas e Rodrigo Penna, no Twiiter.

5 comentários:

milton toshiba disse...

Faço pouca fritura mas descarto o óleo em papel toalha e jogo no lixo. Essa idéia é melhor se bem que vi na TV que padarias paulistanas estão recolhendo óleo usado e são encaminhados para uma ONG que tendem para serem transformados em biodiesel
Bjs

Érica Sena disse...

Olá... muito legal este post. Coloquei em meu blog Pensar eco, ok?

abraço,

Érica Sena/ Pensar eco

Biosfera disse...

Interessante isso: "Segundo Mazzei, muitos projetos de extrema importância ainda aguardam investidores interessados em produzi-los em escala industrial".

E claro, realidade, é bem sabido que existem ótimas idéias esperando investimento, e talvez muitas delas não terão já que não é de bom agrado que elas avancem...


Parabéns pelo post e pelo blog!

Visite-nos também, t+

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Gostei muito do seu blog, vim através do Ustream da Rosana.
Aqui no Japão usamos muito esse endurecedor de óleo.
E o óleo "endurecido" vc entrega a um servico de coleta. E recebe em troca sabão em pó feito do proprio óleo.
Muito bom seu blog, adorei!
Bjao

Arte&Reciclagem, ReceitasSaúde e ReciclagemdasLetras disse...

Q. maximo isso hein! posso divulgar la em casa tb? Bjs

Postar um comentário