7 de abril de 2009

Projeto quer restaurar 15 mi de hectares da Mata Atlântica

(Clique na imagem para ampliar)

Organizações ambientalistas lançaram nesta terça-feira um projeto que pretende restaurar 15 milhões de hectares da Mata Atlântica até 2050, equivalentes a cerca de 10% da floresta original e ao dobro da área atualmente conservada.

O chamado Pacto pela Restauração da Mata Atlântica tem o objetivo de integrar iniciativas já existentes e ampliar o alcance de projetos para "reverter o processo de degradação e começar um amplo programa de recuperação dessa floresta", diz o coordenador geral do conselho de coordenação do projeto, Miguel Calmon, que também é diretor do programa de conservação para a Mata Atlântica da The Nature Conservancy.

Calcula-se que apenas 7,26% da área original da Mata Atlântica (de 1,36 milhão de km²) ainda estejam conservados. Outros 13%, segundo os idealizadores do pacto, são fragmentos em diferentes estágios de conservação, que necessitam de ações de proteção. Com os 15 milhões de hectares que o projeto pretende restaurar (área equivalente a três vezes o território do Estado do Rio de Janeiro), o objetivo é chegar à meta de 30% do bioma da Mata Atlântica recuperados.

Um mapeamento realizado desde 2007 por especialistas das principais organizações que atuam na Mata Atlântica identificou 17,45 milhões de hectares com potencial para restauração.

Incentivos

Até esta terça-feira, o plano já tinha a adesão de 53 organizações ambientalistas, empresas, governos e instituições de pesquisa. Os coordenadores do projeto esperam novas adesões, inclusive de organizações de indígenas, quilombolas e assentados da reforma agrária.

Segundo Calmon, o valor médio para recuperar um hectare da Mata Atlântica é de US$ 1 mil, o que levaria a um cálculo de aproximadamente US$ 15 bilhões para recuperar 15 milhões de hectares. Calmon afirma que um dos objetivos é aliar a conservação da biodiversidade à geração de trabalho e renda na cadeia produtiva da restauração.

Proprietários rurais, por exemplo, poderiam se beneficiar com a adequação legal de suas terras e eventuais ganhos financeiros por sequestro de carbono e outros serviços ambientais. Áreas de pastagens com baixa produtividade poderiam ser transformadas em florestas manejadas com alto rendimento econômico, segundo os coordenadores do projeto.

Também está prevista a disseminação de informações técnicas, além do monitoramento das ações. "Vamos definir e monitorar uma meta anual também", diz Calmon. Os idealizadores do projeto afirmam, porém, que para ser consistente a restauração é um processo longo, que envolve décadas. A Mata Atlântica abriga 60% das espécies ameaçadas de extinção no Brasil. Atualmente, vivem na Mata Atlântica 122 milhões de pessoas.

3 comentários:

lisims disse...

Realmente espero que esse projeto de certo. Mas penso que devam ser aplicados os recentes conhecimentos na área de restauração florestal para que não sejam apenas plantios "para inglês ver" e que haja uma forte colaboração com o meio acadêmico (instituições de ensino e pesquisa).

Luis Felipe Cesar disse...

Parabéns! Mas peço para informar onde ocorreu o lançamento, quais entidades já aderiram e como podem ser feitas novas adesões.
Luis Felipe Cesar
lfcesar@terra.com.br

COISAS DO MARQUINHOS disse...

MENINAS, FIQUEI ORGULHOSO DE VCS MONTAREM UM BLOG TÃO IMPORTANTE E MUITO BONITO TB.
SOBRE A MATÉRIA, UMA ÓTIMA NOTÍCIA. ESPERAMOS Q Ñ FIQUE SÓ NO PAPEL E Q O PROJETO SEJA FEITO MESMO, EM SUA TOTALIDADE.
BJOS MENINAS....

Postar um comentário